Menu Fechar

Viagem aos Alpes – 2ª parte

De manhã acordámos, passeámos, brincámos, arrumámos as coisas e seguimos para a praia. E que praia…! O lago de Serre-Ponçon, rodeado de montanhas, com uma água de uma cor linda, e quente, mesmo quente! O Miguel fartou-se de brincar e até a Madalena que é mais friorenta na água (sai à mãe 😅) andou a brincar e queria mais e mais. O local à volta da praia tinha mesas de piquenique, fogareiros de pedra, muitas sombras e vários pontos de água! Almoçámos por ali e seguimos viagem!

A paisagem continuou igualmente brutal, de uma grandiosidade sem igual! Avistámos alguns companheiros que tinham arranjado uns belos spots para pernoitar e continuámos a subir em busca do nosso!

Chegámos entretanto ao famoso túnel de Parpillon que é assustador e incrível ao mesmo tempo! É curto, faz-se bem, mas imaginar que estamos a atravessar uma montanha daquela dimensão… 😅 A chegada ao final do túnel é muito bonita, parece a entrada num vale encantado! Acabámos por acampar mesmo ali à saída do túnel, a 2600m de altitude, um local impecável para pernoitar e com uma vista maravilhosa!

O Miguel não nos deixou ir preparar o jantar sem antes fazer uma pequena caminhada pelo local, anda numa de caminhar! Andamos nós a adiar o nosso montanhismo com ele porque achamos que ainda é de mais e não vai aguentar e depois é isto, subiu aquilo num ápice, quando dei conta já estava lá em cima a dizer “então demoram muito?!” 🤪 Com a altitude vem também o fresquinho, não estava horrível, mas notava-se bem a diferença para as outras noites de verão a que estávamos habituados! Mas durante a noite não sentimos frio nenhum, estivemos confortáveis!

De manhã ao acordar o Mário reparou que tínhamos um furo num dos pneus de trás! Ele já tinha um rasgão, já estava um pouco gasto e já tinha uns km, por isso o que aconteceu foi que o rasgão cedeu! Enchemos o pneu e descemos até à localidade mais próxima! Quando chegámos já estava muito em baixo mesmo! O Mário remendou com tacos, passámos numa oficina (sábado só estava mesmo aquela aberta e porque era uma estação de serviço!), mas o mecânico disse que não reparava porque era muito lateral! Continuámos a viagem com o Mário sempre a olhar para o pneu pelo espelho e eu a abrir a janela a ver se ouvia algum barulho!

O percurso hoje passou pela estrada mais alta da Europa, 2800m, a vista é grandiosa, vale a pena a passagem por lá! Na descida por pista passámos por vários companheiros, em locais bem estreitinhos em que tivemos de fazer algumas “acrobacias” para conseguirmos passar dois carros lado a lado!

Encontrámos umas mesa ao pé de um riacho com uma ponte e decidimos ficar a almoçar. E fizemos uma pequenina caminhada a seguir ao almoço que o Miguel pediu. Seguimos por uma pista que parecia em obras, com uns tubos gigantes de lado, prontos para serem colocados não sei bem onde, o certo é que estavam a estragar a vista. Até que depois de muito subir…pista cortada por uma máquina de trabalhos :/ Já era tarde, tivemos de ir por estrada até uma próxima saída para pista para podermos comer! Por sorte os miúdos estavam a fazer uma sesta gigante 🙏

Saímos da estrada e depois tivemos de fazer uma mega subida para chegarmos ao local onde estávamos a contar ficar, daquelas subidas íngremes com curvas bem apertadas em que não se consegue curvar à primeira 😅 Finalmente chegámos ao cimo e parámos para comer qualquer coisa, e tendo em conta a hora decidimos jantar logo e depois procurar um local para montar a tenda.

Pelo mapa o local seria a 500m dali, e o Miguel estava a adorar andar de bicicleta então o Mário resolveu dizer-lhe para ele ir à frente do carro de bicicleta até ao sítio para dormir, óbvio que adorou a ideia, ficou radiante! E lá fomos nós, atrás do moço até um largo bem jeitoso onde montámos a tenda, tudo isto com uma temperada de 28graus, que bela noite de verão! De manhã acordámos e estava tudo “inundado” de borboletas, eram imensas mesmo! O Miguel tentou contá-las mas não conseguiu eh eh e ainda teve a ajuda de uma que pousou no ombro dele e ele nem deu conta ☺️